Instrumentos de Pesquisa

Pág. Inicial > Curso > Instrumentos de Pesquisa


Se a Internet é o futuro, então ela diz respeito às próprias crianças, em especial às que são capazes de ler o inglês, sem que isso deva fazer esquecer os riscos que para elas também envolve. Para desfazer mitos, talvez os próprios adultos mais receosos possam iniciar a sua formação num sítio especialmente dedicado a crianças:


Utilizar e conhecer vários instrumentos

Nenhum instrumento actualmente existente permite pesquisar a totalidade do conteúdo da Internet. Os motores de pesquisa são as ferramentas que, em termos gerais, repertoriam mais páginas. No entanto, de acordo com algumas estimativas, nenhum deles cataloga mais do que 16% da Internet. Até mesmo os motores de pesquisa podem ter limitações que os impedem de "ver" uma parte muito significativa e vasta de todo esse conteúdo. Na ausência de um instrumento único de consulta, teremos de nos resignar a utilizar vários deles e a conhecer as vantagens e os inconvenientes de cada um.

Apesar destas limitações óbvias e talvez surpreendentes, a quantidade de informação a que as ferramentas de pesquisa nos dão acesso é muito mais elevada do que a proporcionada por qualquer outra fonte, incluindo enciclopédias, dicionários e até mesmo alguns livros especializados, pelo que a sua cegueira manifesta acaba por não ser muito importante.

Ao contrário dos instrumentos em papel a que estamos mais habituados, a Internet apresenta a informação de modo muito menos estruturado. Para que obtenhamos resultados satisfatórios, teremos, portanto, de nos formar em técnicas de pesquisa da informação nela contida.

Utilizar a via mais rápida e eficaz para a resposta à nossa interrogação

O bom senso é uma qualidade que frequentemente se perde em contextos, como o da Internet, em que a profusão de instrumentos disponíveis e o entusiasmo por uma tecnologia "nova", que abraçamos entusiasticamente, podem induzir-nos, e estamos a referir-nos a uma tentação de todos nós, a atitudes bastante irracionais.

Se conhecermos alguém que possa encontrar-se imediatamente disponível e seja capaz de responder à nossa pergunta, afigura-se lógico e racional que comecemos por interrogar essa pessoa, em vez de imediatamente nos lançarmos num processo de pesquisa mais ou menos complexo e multifacetado. A resposta é, geralmente, mais rápida e eficaz.

Tal pessoa nem sempre existe. Se a questão disser respeito a um tema abrangido por instrumentos de pesquisa específicos que saibamos manipular, deveremos começar a nossa pesquisa por tais ferramentas especializadas. Caso o tema não seja por eles abrangido, deveremos utilisar instrumentos de carácter genérico, dos quais os mais frequentemente utilizados são os motores de pesquisa e os repertórios da InternetÉ geralmente por eles que começa a maior parte das interrogações da Internet

O princípio mais fundamental em que assenta a utilização de todas as ferramentas que vamos descrever é extraordinariamente simples: é essencial consultar as páginas de Ajuda (Help) de cada um deles. As funções disponíveis e a sintaxe de interrogação variam de instrumento para instrumento, embora em não poucos casos possam parecer (erradamente) análogas, e a tendência de todos os iniciados (sejam eles utilizadores novos ou já antigos!...) é a de ignorarem este importante serviço. A não utilização da funcionalidade disponível é, por seu turno, a principal causa de insucesso na pesquisa, embora seja importante referir que a Internet não dá sempre resposta a todas as interrogações que formulamos.

Dadas essas variações sintácticas, é pouco provável que cada um de nós esteja interessado em dominar a fundo mais do que 2 ou 3 instrumentos de cada tipo, com a possível excepção dos repertórios da Internet, que são muito fáceis de utilizar.

Para a selecção dos instrumentos que vai passar a utilizar, poderá basear-se nas nossas próprias recomendações (em que, dentro de cada categoria, apresentamos primeiro os instrumentos que preferimos), ou nas recomendações de outros sítios (ver páginas Comparativos e Notícias).

Índice   Seguinte


Última Actualização: 03.05.2001
© 2000-2002, João Luís Rosas, Roger Hourmant. Reservados todos os direitos.